Com amor, Agave&Limão

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon

#24 - Visitas ao Recém nascido

10.07.2019

Este tema é muito melindroso, muito sensível e dá sempre muita chatice... Eu percebo que quem nunca teve um bebé até possa não estar bem a ver a coisa como ela é, mas bolas... quem já teve sabe exactamente do que estou a falar porque já passou por tudo isto. Durante a gravidez e depois de dar à luz um bebé, há uma grande avalanche de hormonas e sentimentos e coisas que nem dá para explicar. E é das coisas mais WOW que podemos vivenciar... Na minha opinião. E só quem passa por tudo isto sabe a dimensão do que estou a falar.

Depois de ter o nosso bebé nos braços e vir para casa com, muito provavelmente, o pipi cosido e as mamas cheias de leite até aos olhos e com dores desconfortáveis entramos numa fase que se chama: Puerpério. E o que é isso? 

 

Nasceu o teu bebé e tu estás encantada. Estás atenta para protegê-lo e dar tudo o que necessite. Do que talvez não estejas consciente é da transformação pela qual o teu corpo e tua mente estão a passar. Após o parto, inicia-se um período que se estende de 45 a 60 dias chamado puerpério (em mulheres que amamentam por um longo tempo, o puerpério pode durar um pouco mais). Durante este período, o teu corpo sofre transformações anatómicas e funcionais progressivas iniciadas depois do parto. É um ciclo no qual as mudanças causadas pela gravidez devem ser restituídas ao seu estado anterior de não-grávida. Todas estas transformações não se limitam às funções fisiológicas e criminológicas (hormonais). Também afectam a sua parte emocional. Há alterações do ponto de vista fisiológico como os desconfortos dos órgão voltarem ao lugar onde estavam, como as perdes de sangue acompanhadas de membranas ovolares, como alteração da nossa temperatura corporal que mexe com o nosso metabolismo e tudo isso está associado à produção de leite, a famosa "Descida do leite", e etc... É também normal e muito comum as mulheres sofrerem de obstipação nos primeiros dias do pós parto... enfim... Muita coisa para gerir e ainda um bebé para tomar conta né? 

 

Ainda há dias estava a falar com uma amiga que passou um pouco mal durante o parte, que teve um parto complicado, com muitos pontos e etc e tal, quando chegou ao quarto e viu o telemóvel tinha mensagens e chamadas de alguém que lhe perguntava porque não respondia às mensagens nem atendia o telemóvel... Pessoas.... isto não se faz... é de uma crueldade sem tamanho e são coisas que deixam marcas. 

 

Este é um período de grandes mudanças e é necessário respeitar o espaço e o tempo de cada família pois todas têm dinâmicas diferentes, opiniões diferentes, tudo diferente de outras familias, de outras mães, de outros pais.Quando um bebé nasce as pessoas mais próximas, ou não, querem ir a casa visitar o recém nascido mas há coisas que nunca devem ser esquecidas:

  • O espaço da familia tem que ser respeitado - quando chega um bebe à família, seja ele o primeiro ou o quinto, é sempre um período de adpatação tanto para os pais como para o bebé e é preciso tempo, calma, paciência e muita tranquilidade à volta da nova família que se formara. Devemos respeitar esse momento e se não tivermos assim tanto à vontade com os recém papás, vamos esperar que sejam eles a convidar para ir visitar o bebé. É muito possível que várias pessoas se ofereçam para ajudar quando o bebé nascer, inclusive, repetem a promessa quando o bebé já está em casa, todavia, na prática, não é isso que acontece. A ajuda que vai precisar nem é com o bebé, precisa é de alguém que cozinhe, lave a loiça, a roupa, a casa e outras coisas menos excitantes do que cheirar um recém-nascido. No final, estão as visitas a mimar o bebé e os pais, que precisam de descanso e caldos, andam atarefados a preparar o lanche das visitas, a arrumar a casa para que fique imune a críticas ou exaustos a fazer “sala” quando o que querem mesmo é descansar.

  • Nunca devemos aparecer sem avisar - nesta fase, como já referi ali em cima, é uma fase de, na grande maioria das vezes, alguns desconfortos para a mulher... pontos no pipi, mamas cheias de leite ate aos olhos, cabelo por lavar e banho por tomar (quem já foi mãe sabe do que estou a falar....)... e gente... não é fixe... estes primeiros dias são desconfortáveis, são um stress por termos em casa um bebe que precisa de nós a toda a hora e precisamos de tempo para processar toda a informação... Por isso é importante que quem nos rodeia tenha noção de tudo isto e que tenha o bom senso de ligar ou mandar mensagem antes de ir...

  • Fazer a visita doente - de todos os motivos a ter em conta quando vamos visitar um recém nascido este talvez seja dos mais importantes, seguido dos beijos ao bebé, porque é realmente MUITO perigoso... Há um ser pequenino, frágil, sem vacinas que está vulnerável a tudo e apanha tudo!! Por isso é necessário ter isso em atenção. Se estivermos doentes nunca devemos ir visitar um recém nascido. O sistema imunitário do bebé ainda está em construção, por isso, reserve os beijos para a cabeça, barriga e pés. Não dê beijos no rosto nem nas mãos. Mesmo apenas a tocando com as mãos, são precisos cuidados extra. Por isso, lave bem as mãos antes de pegar no bebé e faça-o apenas se os pais o sugerirem.

 

  • Pedir para acordar o bebé - a mim por acaso nunca me aconteceu e todas as pessoas que nos foram visitar tiveram mega cuidado com o barulho e tudo o mais para não acordar a bebé, mas há realmente pessoas com muita lata e que querem ver o bebé de olhos abertos e fazem barulho propositadamente para ver o bebé acordado... São pessoas atrasadas mentais, claro está e sem noção das coisas!! As pessoas não sabem há quanto tempo o bebé está a dormir, se dorme bem ou não, ou o que seja. Mas se ele está a dormir é porque precisa e então vamos deixar o bebé dormir!! Aparentemente, o mundo não sabe que os bebés só comem, dormem e sujam fraldas, por isso, prepara-te para ter visitas surpreendidas por a criança estar a dormir e não desperta para os receber e já a dobrar o riso, de preferência. Em situações mais dramáticas, há visitas que quererem arrancar o bebé do colo dos pais.

 

  • Vamos segurar o palpites -  vamos segurar os palpites e não tratar aquela criança como se fosse nossa porque não é. Por isso os pais da criança é que sabem como vestir, hora de comer, de dar banho, de por a fazer o pino. Por isso, bico calado que ninguém vos perguntou nada. Não fotografe, não alimente, não pegue, não beije, não mude fraldas nem tire fotografias sem perguntar aos pais se pode ou sem que lhe tenham pedido para o fazer. Já que falamos sobre fotografias, se as tirar, desligue o flash e NUNCA as publique nas redes sociais.

 

  • O bebé precisa de calma- O pediatra Mário Cordeiro alerta para isto numa crónica em que fala sobre as cólicas dos bebés, diz ele que “a seguir ao nascimento, de cada vez que o bebé abre os olhos, apanha uma autêntica enxurrada de informação”. Pior ainda se o ambiente de casa, que deveria ser de contemplação, calma e tranquilidade, está perturbado constantemente pelas visitas, telemóveis e ansiedade. “Tudo isto constitui um factor de stress muito grande.”Esta “enxurrada de informação” pode mais tarde traduzir-se em cólicas, perturbações do sono e choro constante que é a única forma que o bebé recém-nascido tem de comunicar. No entanto, nas primeiras semanas, o bebé deve ser preservado do contacto com o exterior para evitar contacto com germes e bactérias que possam ser prejudiciais.

Sobre as visitas aos recém nascidos ainda há muita coisa para dizer... Há sempre muita coisa para dizer e há sempre quem não perceba ou não queira perceber. Mas é preciso respeitar o espaço e as opiniões dos pais da criança e quem não respeitar "Porta da rua é serventia da casa" e pronto.

No meio de tudo isto ainda há a questão da amamentação que é mais fácil para umas pessoas do que para outras mas regra geral os primeiros dias são meio caóticos para a maior parte de nós, devemos andar com as maminhas ao léu para ajudar a sarar os mamilos e não é fixe uma pessoa querer estar ao léu e andar o baile armado em casa com pessoas a entrar e a sair... temos que ter noção disso também.

 

Eu acho que é necessário as pessoas terem em mente que é uma fase de grande mudança, de descobertas, de pôr as coisas no lugar e é uma fase que os pais estão mais sensíveis, a mãe cheia de hormonas aos saltos, as mamas cheias de leite, o pipi com pontos e tudo isso é difícil de gerir. Se queres de facto ajudar o casal, as ajudas são bem vindas com um tabuleiro de legumes no forno, um pão fresco, uma panela de sopa, ajuda com a roupa que está por estender e a que está por apanhar. E podes ver o bebé claro. Em principio a mãe não se vai esconder no quarto com o bebé para ninguém o ver mas é preciso ter em mente que é um ser frágil, que fica doente muito facilmente e que devemos sempre ter em mente que é tudo novo. Para todos. E quem gosta de facto de nós, percebe tudo isto.

 

 

Um beijo,

Agave&Limão

 

 

 

 

Tags:

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload